web analytics

Press

 

 

EL RENACIMIENTO CONTEMPORáNEO LUSO (ÁLVARO LOBATO DE FARIA Y MAC LISBON) por Héctor Martínez Sanz

Revista Madrid en Marco

Lee a Sartre, escucha a Pink Floyd y a Mozart, es profesor universitario de matemáticas y, más aún, es el Fundador y Director-Coordinador del Movimiento de Arte Contemporáneo de Lisboa (MAC, Lisbon, Portugal). Podrá pensarse que no son rasgos que encajen fácilmente, pero es precisamente esto lo que configura una personalidad única, al caso, la de Álvaro Lobato de Faria.

Ya son más de quince años dedicados a la promoción del arte contemporáneo portugués, al descubrimiento de jóvenes artistas y nuevas revelaciones o a la divulgación de la cultura portuguesa. Dedicación y esfuerzo que sólo pueden entenderse cuando existe un verdadero amor por el arte y la cultura. Y digo bien al señalar también la cultura, pues, el pensamiento -quizás una cita celebre destacable de Álvaro Lobato de Faria- que da la real dimensión del proyecto MAC se expresa en los siguientes términos: “Muchas veces he dicho que los pintores son como escritores, pintan imágenes escritas”. Efectivamente, el compromiso de Álvaro Lobato de Faria abarca la palabra hablada, por ejemplo, la portuguesa, que no sólo se escucha en Portugal; él lleva, trae, promociona y reivindica el arte contemporáneo y joven allá donde la lengua portuguesa esté presente. ¿Por qué? La explicación podría ser perfectamente: porque cada uno siente en la lengua que habla, pues en ella expresa su ser. Al caso, ya no sólo quedándonos en el idioma, sino universalizando el principio mencionado en las artes: cada uno siente en la paleta que emplea, pues con ella expresa su ser. Si ocurre con la lengua, oral o escrita, ocurrirá también con ese lenguaje universal de la pintura, razón por la que existe una pintura contemporánea portuguesa y un movimiento, como el Movimiento de Arte Contemporânea, dispuesto a reunirlo y difundirlo al resto del mundo.

Frente a la falta de entusiasmo y el pesimismo de la juventud artística portuguesa, Álvaro Lobato se ha levantado como una recia columna para demostrar, matemática y humanamente, que aquellos sentimientos carecen de una razón y fundamento. Lo que antes fuera el proyecto MAC de Lisboa es hoy una sólida y auténtica realidad de casi ochenta artistas, de dentro y fuera de Portugal expuestos o presentados en Lisboa, que cualquier estudiante de Bellas Artes puede visitar y en la que, incluso, puede participar. Como decía antes, este infatigable empeño en medio del desinterés, tan sólo cabe comprenderlo contando con un inmenso amor al arte y a la cultura.

Análogamente a los mecenas filántropos del ayer renacentista, bajo cuya protección y ánimo se desarrollaron obras artísticas fundamentales que todavía hoy admiramos, Álvaro Lobato de Faria es un estímulo del arte en Portugal, no solamente para el artista, sino también para el público y el país. Alejado del mercantilismo galerista, de la obra de arte como artículo de lujo reservado a minorías, Lobato de Faria y MAC ofrecen dos espacios en Lisboa que facilitan el acceso a las artes de creadores y espectadores y que amplían los horizontes de lo artístico de la tierra lusa, nacional e internacionalmente. En este sentido, no es exagerado hablar de un Renacimiento del arte portugués –o arte de habla portuguesa- tal y como se entiende históricamente en cuanto al s. XVI. ¿Por qué no pensar que gracias a Lobato de Faria podamos estar ante los Fra Ángelico, Boticelli, Buonarotti, Durero, Brueghel o Greco de un futuro no muy lejano en Portugal? Al fin y al cabo, los genios lo son por sí mismos y lo que se necesita es el escenario o plataforma donde puedan ser mostrados sus talentos. Es decir, el punto de apoyo o el cruce de caminos que representan juntos MAC y Lobato de Faria, tienen una importancia máxima en los tiempos que corren; tiempos en los que el arte sobrevive y se expande por los caminos que estos conquistadores logran abrir por entre las enmarañadas selvas de las sociedades actuales.

A Cultural Institution Dedicated to Promoting Contemporary Art in Portugal and Beyond

 

by EVA DEFESES

From Niram Art Magazine

Lisbon, Portugal – 14 Years’ Ago

A University Mathematics Professor with a taste for Fine Arts had the dream of creating a unique institution of artistic and cultural exchange: an art gallery, a movement, a place of gathering for artists, a school for the younger ones, a house of Portuguese Culture, a vibrant institution based on passion and action, meant to shake off the nostalgic drowsiness that still reigns over the land of the Fado. The name was chosen: The Movement for Contemporary Art. Like his fellow Portuguese conquistadors of the golden times of the Portuguese Discoveries, Álvaro Manuel Lobato de Faria Gomes (born on Nov. 30, 1943 in Castelo Branco, Portugal), set on the quest of discovering new artistic horizons and on raising higher than the blue skies of Lisbon the red and green of the Lusitanian flag.

Lisbon, Portugal – Nowadays

Spain, Finland, France, Brazil, Colombia, Germany, Belgium, United States, Italy, Argentina, Cape Green, Guinea-Bissau… far-away countries, different cultures united in so many artistic events, cultural activities, exchanges…a dynamic force that is today, after 14 years, MAC.

On the day that the Movement for Contemporary Art celebrated 14 years of activity, Niram Art Magazine talked to the founder, Mr. Álvaro Lobato de Faria about MAC’s spreading out beyond Portuguese soil and to the 2 newest members of his team, Mrs. Joana Paiva Gomes and the sculptress Andreia Perreira.

Mr. Álvaro Lobato de Faria, MAC has become known in Portugal as a cultural institution dedicated to promoting Portuguese arts in Portugal and in Portuguese-speaking countries. What are MAC’s main objectives outside Portugal?

Mr. Álvaro Lobato de Faria: I say many times that painters are like writers, they paint written images. Therefore, as a Portuguese I believe it is my duty to give support to Portuguese artists and to expand our art and our culture in the Portuguese-speaking countries. In partnership with The Society of the Portuguese Language we have undertaken many activities uniting the speaking word to the painted image, writers and artists, in all those countries where they speak Portuguese or where Portuguese is taught in the Universities. Outside this Portuguese-speaking territory, we collaborate with cultural institutions in Denmark, Finland, Belgium, France, New Zeeland, United States, where I have been often invited to give lectures in universities and cultural institutions. Of course, our main preference are the Portuguese-speaking countries, we have had many events and collaborations with all of them, especially Brazil.

As a dynamic artistic space MAC is also dedicating to discovering and promoting young talents and is involved in many pedagogical activities.

Mr. Álvaro Lobato de Faria: Yes, we are, but unfortunately I find that there is a great lack of interest in the young students of Fine Arts in Portugal. I am always on the look for new talents and I speak to the people of the Faculty of Fine Arts often on this subject but the answer is the same: there is no enthusiasm, no interest. For instance, the sculptor Joao Duarte, a man of great initiatives, has tried to put together several activities within the Faculty but the students are not interested in anything. The Portuguese society is in a very negative phase right now.

This year, MAC counts with the help of two new members, Mrs. Joana Paiva Gomes has been appointed vice-president, following in her father’s footsteps with pride.

What are the projects that you are involved in within Mac and what does MAC mean for you?

Mrs. Joana Paiva Gomes: I have practically grown up within MAC, I have been involved in its activities since my teenage years but I have become an actual part of the team last year. I am not specialized in Fine Arts but the close contact with my father’s activities has sprouted within me the taste for arts and an artistic awareness. As I have pedagogical studies, the main objective of my work here is to turn more dynamic the pedagogical area of MAC, in order to develop the artistic sensibility in young people, to elaborate new strategies and to establish new contacts with cultural institutions in order to collaborate on the divulgation of arts and culture.

A young sculptress, Andreia Perreira, is MAC´s newest collaborator, bringing in all her flair and enthusiasm.

Mrs. Andreia Perreira, what is it that has drawn you to MAC?

Mrs. Andreia Perreira: As a student at the Faculty of Fine Arts in Lisbon, I started working at MAC as part of the academic curriculum and my initial duties were attending the public, helping to organize some events. However, Mr. Alvaro de Faria has gradually given me more autonomy and now I am engaged in all sorts of activities, mainly organization of events.

I was talking to Mr. Álvaro Lobato de Faria about MAC’s objective of expanding within the Portuguese-speaking countries…

Mrs. Andreia Perreira: Yes, indeed, this is the main objective of MAC. You see, MAC is much more than a commercial space, it is a cultural space determined to promote Portuguese well-established artists and to continuously search and offer support to new talents, to help promoting their art in the Portuguese-speaking countries and also to promote artists from the Portuguese-speaking countries in Portugal. Also, it constantly fights for the internationalization of arts.

You mean by collaborations and divulgation of artists in other countries?

Mrs. Andreia Perreira: Yes, of course, as I said, internationalization is one of the main objectives of MAC. We have ongoing projects in United States, New Zeeland and we are developing relations with European partners as well. Let’s say the world is our limit.

What can we expect from MAC next year?

Mrs. Andreia Perreira: Well, we have some surprises in store for you but it is too early to reveal them. Basically, we are planning a more diverse agenda. As we have 2 locations we have decided to dedicate one of them to more traditional artistic activities and to make the second one more dynamic, to make room for “alternative” artistic ways of expression.

Madrid, August 2008

“The world is our limit” said Mrs. Andreia Perreira and I can`t seem to get her words out of my head.

Somehow I feel that in the city of the seven hills, looking down on the flowing of the blue river Tagus into the Ocean, in Europe’s most Western point, gazing in the strong light of the endless Portuguese sky, these words have probably been said before. And in times gone by, there must have been these words that gave the strength to the sailors of the caravels when they departed in search of the unknown.

Heroes of the sea, adventurers of the impossible, dreamers of the undreamable…

I have found out that your immortal heart still beats in Lisbon…

Based on the interviews taken in Lisbon, in July 2008 by Alex D.

 

Entrevista com Álvaro Lobato de Faria – AÇORIANO ORIENTAL


“Açoriano Oriental”

de 4 de Abril de 2008

por Margarida Neves Pereira

(Jornalista)

Um honroso amigo dos Açores, um amante e critico das Artes, um comunicador, um matemático, um professor universitário, um curador, um conferencista, um galerista, o impulsionador de um movimento, um olhar…. Tudo isto, mas não só. É difícil definir Álvaro Lobato Faria, Director e Coordenador do projecto MAC, (Movimento de Arte Contemporânea), pois nele todas estas funções e manifestações se revelam, acrescidas de uma simplicidade desarmante, quase genial e de um afecto na voz e no olhar que nos obriga a partilhar os objectos da sua paixão – Amante das Artes, amigo dos Artistas, defensor da cultura Portuguesa.

“Divulgar as Artes é uma tarefa de grande relevo, uma missão de cidadania de dimensão universal que valoriza quem a promove, mas também quem com ela priva, esteja onde estiver, neste planeta, que é o nosso mundo”.

Desenvolvendo-se num processo dinâmico e apostando sempre em novos e constantes desafios quer em Portugal quer no estrangeiro, nomeadamente na via da lusofonia, o MAC- Movimento de Arte Contemporânea, é um espaço cultural especialmente vocacionado para a divulgação da arte, em que a reflexão da língua portuguesa e a linguagem universal das artes plásticas se interliga e conjuga – é assim que Álvaro Lobato Faria se enquadra. Mas, para o director e coordenador deste Movimento, falar de Arte é também falar dos artistas que com o seu génio criador lhe dão vida permitindo a cada um de nós o contacto com novas experiências e com uma outra realidade que de outra forma não conheceríamos.

Tendo a perfeita consciência da fragilidade do estado da arte em Portugal, mas também da necessidade de incentivar e reconhecer o valor das obras e dos seus criadores, o MAC atribuí anualmente prémios (peças de escultura criadas por escultores de relevo do mesmo Movimento) para premiar os artistas que nos vários níveis e escalões mais se destacaram no MAC durante o ano. Desta forma, incentivam-se a qualidade na produção das obras e reconhece-se o valor dos artistas.

Este Movimento de Arte Contemporânea, dirigido e coordenado por Álvaro Lobato Faria, goza de outro requisito que importa verdadeiramente referir, o MAC abre as suas portas aos novos talentos, não se fechando hermeticamente nos valores seguros e já reconhecidos por outrem. Uma audácia proveniente de quem avalia com legitimidade mas também generosidade, a produção artística. “Não podemos pois deixar de referir os artistas que nos transmitiram a qualidade das suas obras: quer os consagrados, que nos têm acompanhado ao longo destes anos e cujos nomes dispensam apresentações, quer os jovens a quem abrimos as portas e com quem partilhamos inesquecíveis entusiasmos.”

A importância do publico também não é ignorada por este amante das artes ” é ele que nos assegura que a arte não é apenas necessária mas profundamente indispensável.

Qual a sua Ligação aos Açores?

Para além do MAC contar com artistas açorianos, como é exemplo a Teresa Mendonça, sou um fã da beleza incomparável destas ilhas. Comprei uma casa em S. Jorge. Passo cá férias com muita frequência. Trago comigo grupos de artistas amigos para comigo partilharem desta calma reparadora.

Existe um ambiente “maquiano”?

Sim. É um ambiente agradável. Com muitos encontros e tertúlias. Somos comunicadores e descontraídos. Não considero o MAC uma Galeria mas sim um espaço cultural, aberto a todos, interactivo, convivial. Claro que nem todos os artistas são pessoas simpáticas, ou gostam de colaborar com o espírito regente, mas a grande maioria adere a esse espírito aberto.

Como nasce a paixão pelas artes plásticas?

A minha área de formação é as matemáticas puras, as quais lecciono. Para as compreendermos temos que ter uma certa sensibilidade também, uma certa paciência. As matemáticas têm uma certa cruz às costas, é um curso muito monótono e quando o tirei, apercebi-me que ou se é um grande craque – um génio – e a formação adquire-se com uma certa facilidade, ou se dá em louco! Para que isso não acontecesse, procurei compensações. Então, com apenas dezasseis anos, passava todos os meus tempos livres em galerias e museus, a contemplar e a “lavar a alma” com arte. Claro que era escorraçado de muitas delas por ser demasiado jovem. Olhavam-me de soslaio… mas ninguém me amedrontava!

Há um elitismo associado às artes e às galerias?

Sim. E isto prejudica muito a arte. São Galerias que não cuidam da vertente pedagógica e que de certa forma matam as artes. Eu “obrigo” turmas da instrução primária a irem à galeria. Os professores de Belas Artes costumavam dar aulas no nosso espaço, onde podiam os alunos interagir com os artistas, fazerem-lhes perguntas…. Chamei ao MAC os escuteiros, etc… Somos uma galeria viva, verdadeiramente um espaço cultural. A arte, para ser reconhecida como tal, precisa de ser vista, sentida e quanto mais cedo melhor, e por quanto maior numero de pessoas, melhor.

O Mac dá muita importância ao seu publico…

Sim. Não podemos esquecer o penhor do público, sempre interessado e interveniente. É ele que diariamente nos afirma que a arte não é apenas necessária mas profundamente indispensável. Com estes inestimáveis contributos (artistas, obras, publico divulgação jornalística) foi possível ao MAC conquistar um lugar de grande destaque no horizonte das artes plásticas, o que nos honra e nos une em laços estreitos aos artistas com quem trabalhamos, ao publico que os admira e apoia com regozijo e a todos os que de forma empenhada seguem o nosso trajecto.

Em Portugal não é costume premiarem-se artistas….

Os prémios foram criados numa noite de reflexão. Deixou-se de escrever sobre cultura em Portugal, o lugar foi praticamente todo tomado pelo desporto. Achei que tal era absolutamente necessário e justo. É um estímulo.

São atribuídos periodicamente?

Atribuímos anualmente em vários escalões.

Os próprios troféus são grandes obras de arte…

Sim. São concebidos por escultores do Movimento – já contamos com três grandes nomes : a escultora Maria Manuela Madureira – que conta com mais de sessenta anos de carreira, o Joalheiro e também escultor – Alberto Gordillo – que é considerado um dos dez maiores joalheiros do mundo – produziu o colar da Coroa da Monarquia Inglesa, fez vários trabalhos para o Franck Sinatra, e do qual temos uma exposição permanente de jóias no MAC, e este ultimo, em 2007, produzido por João Duarte, também um artista notável, Professor Catedrático de Belas Artes, um dos braços direitos deste Movimento.

O núcleo duro do MAC…

São vários que estão comigo quase desde o inicio, ou que demonstraram, assim que chegaram, uma disponibilidade generosa para connosco. A Pintora Luísa Nogueira, Maria João Franco, a açoriana Teresa Mendonça, entre outros, e claro O Mestre Hilário Teixeira Lopes, que é o nosso “bebé”. Mas um “bebé” com grande peso – Prémio Mundial em Madrid, em 1969 entre 416 artistas de 32 países, prémio Sousa Cardoso em 1965 que era um dos mais importantes prémios nas Artes Plásticas em Portugal. A ele fazemos-lhe todas as vontades….

Pinta?

Nada! Não sei fazer um traço… fiz um quadro em toda a minha vida com a ajuda. Foi um sucesso… (risos)